UBERIZAÇÃO: UMA ANÁLISE A PARTIR DA REESTRUTURAÇÃO DO CAPITALISMO EM DAVID HARVEY

Autores

  • Bruno Almeida de Sousa Centro Universitário Católica do Tocantins - UniCatólica
  • Vinícius Pinheiro Marques Centro Universitário Católica do Tocantins - UniCatólica

Palavras-chave:

Uberização, Reestruturação do Capitalismo, David Harvey

Resumo

Este artigo analisa as imbricações entre a reestruturação do sistema capitalista e o fenômeno da uberização do trabalho. Para tanto se utiliza da abordagem qualitativa e o método dedutivo. O instrumento de coleta de dados foi a revisão bibliográfica e documental adotando como quadro teórico o geógrafo David Harvey. O artigo é dividido em três partes: primeiro diferencia-se a relação de emprego e a relação de trabalho; posteriormente, através da teoria de David Harvey, se discute a reestruturação do capitalismo; e por fim, relaciona as categorias de uberização do trabalho e reestruturação do capitalismo. O argumento do presente estudo é de que com a reestruturação do capitalismo e a culminação na uberização do trabalho, o capital burla o compromisso fordista e as instituições de proteção laborais e desenvolve mecanismos de superexploração do trabalhador. Além disso, argumenta-se pela relação das consequências da acumulação flexível em Harvey na uberização do trabalho.

Biografia do Autor

Bruno Almeida de Sousa, Centro Universitário Católica do Tocantins - UniCatólica

Graduando em Direito do Centro Universitário Católica do Tocantins (UniCatólica). Currículo Lattes: http://lattes.cnpq.br/3111030432988252. ORCID: https://orcid.org/0000-0002-2760-2859. E-mail: bruno.asousa@catolica-to.edu.br.

Vinícius Pinheiro Marques, Centro Universitário Católica do Tocantins - UniCatólica

Doutor em Direito pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Professor de Direito do Centro Universitário Católica do Tocantins (UniCatólica) e do Programa de Pós-graduação em Prestação Jurisdicional e Direitos Humanos da Universidade Federal do Tocantins. Currículo Lattes: http://lattes.cnpq.br/7300803447800440. ORCID: http://orcid.org/0000-0002-1294-8603. E-mail: viniciusmarques@uft.edu.br.

 

Referências

ABÍLIO, Ludmila Costhek. Uberização: Do empreendedorismo para o autogerenciamento subordinado. Psicoperspectivas, v. 18, n. 3, p. 1–11, 2019. Disponível em:<https://bityli.com/JVv5js>. Acesso em: 13 nov. 2020.

ABÍLIO, Ludmila Costhek. Uberização: a era do trabalhador just-in-time? Estudos Avançados, v. 34, n. 98, p. 111–126, 2020. Disponível em: <https://bityli.com/1bktn>. Acesso em: 13 nov. 2020.

AMORIM, Henrique; MODA, Felipe Bruner. Trabalho por aplicativo: gerenciamento algorítmico e condições de trabalho dos motoristas da Uber. Fronteiras-estudos midiáticos, v. 22, n. 1, p. 59-71, 2020. Disponível em:<https://bityli.com/6yElR>. Acesso em: 13 nov. 2020.

ANTUNES, Ricardo. Os Sentidos do Trabalho: ensaio sobre a afirmação e a negação do trabalho. 2. ed. São Paulo: Boitempo, 2009.

ANTUNES, Ricardo. O privilégio da servidão: o novo proletariado de serviços na era digital. 2. ed. São Paulo: Boitempo, 2020a.

ANTUNES, Ricardo. Trabalho intermitente e uberização do trabalho no limiar da Indústria 4.0. In: ANTUNES, Ricardo. Uberização, Trabalho Digital e Indústria 4.0. São Paulo: Boitempo, 2020b.

BARBOSA, Attila Magno e Silva; ORBEM, Juliani Veronezi. “Pejotização”: precarização das relações de trabalho, das relações sociais e das relações humanas. Revista eletrônica do curso de direito da UFSM, v. 10, n. 2, p. 839-859, 2015. Disponível em: <https://bityli.com/OG2ys>. Acesso em: 09 mar. 2021.

BIRH, Alain. O compromisso fordista. In: BIRH, Alain. Da grande noite à alternativa: o movimento operário europeu em crise. 2. ed. São Paulo: Boitempo, 1998. p. 35-49.

BRASIL. Decreto-Lei nº 5.452, de 1º de maio de 1943. Aprova a Consolidação das Leis do Trabalho. Disponível em: <https://bityli.com/WmnnS>. Acesso em: 11 nov. 2020.

BRASIL. Superior Tribunal de Justiça. Conflito de Competência: 164.544 - MG (2019/0079952-0). Relator: Min. Moura Ribeiro. Brasília, 28 de agosto de 2019. Disponível em: <https://bityli.com/tr1no>. Acesso em: 08 jun. 2021.

BRASIL. Tribunal Superior do Trabalho. Agravo de Instrumento de Recurso de Revista: 10575-88.2019.5.03.0003. Relator: Min. Alexandre Luiz Ramos. Brasília, 9 de setembro de 2020b. Disponível em: <https://bityli.com/8bLqN>. Acesso em: 08 jun. 2021.

BRASIL. Tribunal Superior do Trabalho. Recurso de Revista: 1000123-89.2017.5.02.0038. Relator: Min. Breno Medeiros. Brasília, 5 de fevereiro de 2020a. Disponível em: <https://bityli.com/hLNIi>. Acesso em: 08 jun. 2021.

BRASIL. Tribunal Superior do Trabalho. Recurso de Revista: 10555-54.2019.5.03.0179. Relator: Min. Ives Gandra da Silva Martins Filho. Brasília, 02 de março de 2021. Disponível em: <https://bityli.com/iuD1Ro>. Acesso em: 08 jun. 2021.

DELGADO, Maurício Godinho. Curso de direito do trabalho. 18. ed. São Paulo: LTr, 2019.

DE STEFANO, Valerio. The rise of the “just-in-time workforce”: On-demand work, crowdwork and labour protection in the “gig-economy”. Conditions of Work and Employment Series, Geneva, n.71, 2016. p. 11–22. Disponível em: <https://bityli.com/geSRW>. Acesso em: 09 jun. 2021.

FARIA, Maria da Graça Druck de. Terceirização: (des) fordizando a fábrica, um estudo de complexo petroquímico da Bahia. 1995. 271 f. Tese (Doutorado em Ciências Sociais) - Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1995. Disponível em: <https://bityli.com/y3SgB> Acesso em: 31 maio 2021.

FELICIANO, Guilherme Guimarães. Dos princípios do direito do trabalho no mundo contemporâneo. Revista do Tribunal Regional do Trabalho da 15ª Região, Campinas, SP, n. 27, p. 85-105, 2005. Disponível em: <https://bityli.com/pBeCM>. Acesso em: 03 mar. 2021.

FILGUEIRAS, Vitor; ANTUNES, Ricardo. Plataformas digitais, Uberização do trabalho e regulação no Capitalismo contemporâneo. Revista Contracampo, v. 39, n. 1, 2020. Disponível em: <https://bityli.com/2DWka>. Acesso em: 13 nov. 2020.

FONTES, Virgínia. Capitalismo em tempos de uberização: do emprego ao trabalho. Marx e o Marxismo, v. 5, n. 8, p. 45–66, 2017. Disponível em: <https://bityli.com/tUu5q>. Acesso em: 13 nov. 2020.

FRANCO, David Silva; Ferraz, Deise Luiza da Silva. Uberização do trabalho e acumulação capitalista. Cadernos EBAPE.BR, v. 17, p. 844–856, 2019. Disponível em: <https://bityli.com/GTJ0C>. Acesso em: 13 nov. 2020.

GAVRAS, Douglas. Aplicativos como Uber e iFood são fonte de renda de quase 4 milhões de autônomos. Estadão. Disponível em: <https://bityli.com/C4MZV>. Acesso em: 15 jun. 2021.

GRIESBACH, Kathleen; REICH, Adam; ELLIOTT-NEGRI, Luke; MILKMAN, Ruth. Algorithmic Control in Platform Food Delivery Work. Socius: Sociological Research for a Dynamic World, v. 5, p. 1-15, 2019. Disponível em: <https://bityli.com/V4Wzr>. Acesso em: 15 jun. 2021.

GROHMANN, Rafael. Plataformização do trabalho: entre dataficação, financeirização e racionalidade neoliberal. Revista Eptic, v. 22, n. 1, p. 106-122, 2020. Disponível em: <https://bityli.com/UPjwy>. Acesso em: 13 nov. 2020.

HARVEY, David. Condição pós-moderna: uma pesquisa sobre as origens da mudança cultural. 19. ed. São Paulo: Edições Loyola, 2010.

LIPIETZ, Alain. Mirages and Miracles: The Crises of Global Fordism. London: Verso, 1987.

MALLET, Estevão. A subordinação como elemento do contrato de trabalho. Revista da Faculdade de Direito, Universidade de São Paulo, v. 106, n. 106-107, p. 217-245, 2012. Disponível em: <https://bityli.com/72Hij>. Acesso em: 22 mar. 2021.

MARTINS, Sérgio Pinto. Direito do trabalho. 28. ed. São Paulo: Atlas, 2012.

NASCIMENTO, Amauri Mascaro. Curso de direito do trabalho. 26. ed. São Paulo: Saraiva, 2011.

OITAVEN, Juliana Carreiro Corbal; CARELLI, Rodrigo de Lacerda; CASAGRANDE, Cássio Luís. Empresas de transporte, plataformas digitais e a relação de emprego: um estudo do trabalho subordinado sob aplicativos. Brasília: Ministério Público do Trabalho, 2018.

OLIVEIRA, Murilo Carvalho Sampaio; CARELLI, Rodrigo de Lacerda; GRILLO, Sayonara. Conceito e crítica das plataformas digitais de trabalho. Revista Direito e Práxis, v. 11, n. 4, p. 2609-2634, 2020. Disponível em: <https://bityli.com/TiJFd>. Acesso em: 15 jun. 2021.

PINTO, Geraldo Augusto. A organização do trabalho no século XX: taylorismo, fordismo e toyotismo. São Paulo: Expressão Popular, 2007.

RIBEIRO, Andressa de Freitas. Taylorismo, fordismo e toyotismo. Lutas Sociais, v. 19, n. 35, p. 65-79, 2015. Disponível em: <https://bityli.com/NUTeF> Acesso em: 31 maio 2021.

RODRIGUEZ, Américo Plá. Princípios de direito do trabalho. 3. ed. São Paulo: Ltr, 2000.

SANTOS, Katia. Trabalho como conceito filosófico. Revista Filosofia. São Paulo: Editora Scala. Edição, v. 42, 2013.

SOUTO MAIOR, Jorge Luiz. A supersubordinação: invertendo a lógica do jogo. Revista do Tribunal Regional do Trabalho da 3ª Região, v. 48, n. 78, p. 157-193, 2008. Disponível em: <https://bityli.com/JJtDY>. Acesso em: 09 mar. 2021.

SOUTO MAIOR, Jorge Luiz. Um conceito marxista de salário. Germinal: Marxismo e Educação em Debate, v. 6, n. 2, p. 95-109, 2014. Disponível em: <https://bityli.com/Rgujs>. Acesso em: 30 Mar. 2021.

TENÓRIO, Fernando G. A unidade dos contrários: Fordismo e pós-Fordismo. Revista de Administração Pública, v. 45, n. 4, p. 1141–1172, 2011. Disponível em: <https://bityli.com/jzuhs>. Acesso em: 13 nov. 2020.

Downloads

Publicado

2022-09-23

Como Citar

SOUSA, B. A. de; MARQUES , V. P. . UBERIZAÇÃO: UMA ANÁLISE A PARTIR DA REESTRUTURAÇÃO DO CAPITALISMO EM DAVID HARVEY. Revista da Faculdade de Direito do Sul de Minas, [S. l.], v. 38, n. 2, p. 299–318, 2022. Disponível em: https://revista.fdsm.edu.br/index.php/revistafdsm/article/view/386. Acesso em: 16 jun. 2024.