A GUETIZAÇÃO DO TRABALHO FEMININO: ENTRE A ESFERA REPRODUTIVA E A TERCEIRIZAÇÃO

Autores

Palavras-chave:

Direito do Trabalho, Trabalho Feminino, Terceirização., Trabalho Reprodutivo, Guetos

Resumo

Sob a vertente jurídico-sociológica, trata-se das dimensões do trabalho das mulheres dentro da sociedade brasileira abordando tanto temas vinculados ao dogma jurídico e aspectos atinentes a questões sociológicas, como a divisão socialmente construída acerca das responsabilidades do lar dentro das famílias. A questão problema que guia esta incursão jurídica é: quais são os postos tradicionalmente ocupados pela maioria das mulheres brasileiras dentro da divisão sexual do trabalho e como isso reflete na sua ocupação em postos terceirizados? Como hipótese tem-se que as mulheres, por realizarem os trabalhos vinculados à esfera reprodutiva, são levadas a postos precários, como trabalhos terceirizados, formando verdadeiros guetos. Como marco teórico utiliza-se o Tithi Bhattacharya com seus escritos sobre reprodução social e os escritos de Loïc Wacquant sobre as formações de guetos. Desenvolve-se o presente trabalho com uma perspectiva teórica, através do qual se utiliza o método da revisão bibliográfica para alcançar aos objetivos tratados

Biografia do Autor

Maria Cecilia Máximo Teodoro, Universidade de Brasília - UnB

Pós-Doutoranda em Internacionalização, Trabalho e Sustentabilidade pela Universidade de Brasília – UnB; Pós-Doutora em Direito do Trabalho pela Universidade de Castilla-La Mancha com bolsa de pesquisa CAPES; Doutora em Direito do Trabalho e da Seguridade Social pela USP; Mestre em Direito do Trabalho pela PUC/MG; Graduada em Direito pela PUC/MG; Professora de Direito do Trabalho do Programa de Pós-Graduação em Direito e da Graduação da PUC/MG. Coordenadora do Grupo de Pesquisa Retrabalhando o Direito – PUC/MG.

Rainer Bomfim, PUC - Minas Gerais

Doutorando em Direito pelo Programa de Pós-Graduação da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, com bolsa de pesquisa CAPES. Mestre em Direito pelo Programa de Pós-Graduação “Novos Direitos, Novos Sujeitos” da Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP). Especialista em Direito Previdenciário pela FAVENI. Bacharel em Direito pela UFOP. Professor de Direito e Coordenador do Núcleo de Prática Jurídica na Rede Doctum – Unidade João Monlevade. Professor Substituto na Universidade Federal de Juiz de Fora – campus avançado de Governador Valadares. Pesquisador do Grupo de Pesquisa RESSABER- UFOP e Retrabalhando o Direito – PUC/MG. Lattes: http://lattes.cnpq.br/3064395260276586. ORCID: https://orcid.org/0000-0002-2934-0653. E-mail: rainerbomfim@outlook.com.

Referências

ALVES, Amauri Cesar. Manual de Direito do Trabalho: introdução ao Direito do Trabalho, relação e contrato de emprego – Volume 1. Belo Horizonte: Rtm, 2021.

BAKAN, Abigail B. Marxismo e antirracismo: repensando a política da diferença. Trad. Becca Freitas. In: Outubro, n. 27, novembro de 2016. Disponível em: www.outubrorevista.com.br/wpcontent/uploads/2016/11/02_Bakan_2016.pdf

BITARÃES, Ana Cecília de Oliveira; SANTOS, Michel Carlos Rocha. Da condição da mulher em contexto da mão de obra. Revista do Tribunal Regional do Trabalho da Terceira Região. V, 65, p. 139-163, jan/jun, 2019. Disponível em https://juslaboris.tst.jus.br/bitstream/handle/20.500.12178/162534/2019_bitaraes_ana_condicao_mulher.pdf?sequence=1&isAllowed=y Acesso dia 28 mar. 2021.

BHATTACHARYA, Tithi. O que é a teoria da reprodução social? Trad. Maíra Mee Silva e Mariana Luppi. In: Outubro, n. 32, 1º semestre de 2019. Disponível em: www.outubrorevista.com.br/wpcontent/uploads/2019/09/04_Bhattacharya.pdf

DARDOT Pierre; LAVAL, Cristian. A nova razão do mundo: ensaio sobre a sociedade neoliberal. 1ª ed. São Paulo: Boitempo, 2016.

DIEESE - Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos. Tema Terceirização. Nota técnica 172. Terceirização e precarização das condições de trabalho. 2017. (online). Disponível em: https://www.dieese.org.br/notatecnica/2017/notaTec172Terceirizacao.pdf Acesso em: 28 mar. 2021.

DELGADO, Mauricio Godinho. Curso de Direito do Trabalho. 18 ed. São Paulo. LTr, 2019, p. 540.

FEDERICI, Silvia. Calibã e a bruxa: mulheres, corpo e acumulação primitiva. São Paulo: Editora Elefante, 2017.

IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Trabalho e Rendimento, Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua 2019.

HIRATA, Helena; DEBERT, Guita Grin. Apresentação. Cadernos Pagu, Campinas, n. 46, p. 7-15, jan./abr. 2016. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/18094449201600460007. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/8645350. Acesso em: 19 jun. 2020.

HIRATA, Helena, KERGOAT, Danièle. Novas configurações da divisão sexual do trabalho. Cadernos de Pesquisa – Fundação Carlos Chagas, São Paulo, v. 37, n. 132, p. 595-609, set./dez. 2007

MARX, Karl. O capital: crítica da economia política. Trad. Rubens Enderle. Campina: Boitempo. 2ed, 2011, p. 208-215.

MÁXIMO PEREIRA, Flávia Souza; BERSANI, Humberto. Crítica à interseccionalidade como método de desobediência epistêmica no Direito do Trabalho brasileiro. Revista direito e práxis, v. 11, p. 2743-2772, 2020.

MÁXIMO PEREIRA, Flávia Souza; NICOLI, Pedro Augusto Gravatá. Os segredos epistêmicos do Direito do trabalho. Revista Brasileira de Políticas Públicas, 2020. p. 520-545.

MARCONDES, Mariana Mazzini; VIEIRA, Regina Stela Corrêa. Perspectiva de gênero nas licenças por nascimento: uma análise do Brasil, da Argentina e do Uruguai durante governos de esquerda. Revista de Informação Legislativa: RIL, Brasília, DF, v. 57, n. 228, p. 11-36, out./dez. 2020. Disponível em: https://www12.senado.leg.br/ril/edicoes/57/228/ril_v57_n228_p11

LERUSSI, Romina. (2018). Escritos para una filosofía feminista del derecho laboral. Estudios del Trabajo. Revista de la Asociación Argentina de Especialistas en Estudios del Trabajo (ASET), (56). Disponível em: https://aset.org.ar/ojs/revista/article/view/37

LUGONES, Maria. Rumo ao feminismo descolonial. Revista de Assuntos Feministas REF, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, v. 22, nº. 03, setembro dezembro/2014, p. 942. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/ref/issue/view/2211/showToc Acesso em 23 set. 2017.

PAUTASSI, Laura C. El cuidado como derecho. Un camino virtuoso, un desafío inmediato. Revista de la Facultad de Derecho de México, [s. l.], v. 68, n. 272, p. 717-742, sept./dic. 2018. DOI: http://dx.doi.org/10.22201/fder.24488933e.2018.272-2.67588. Disponível em: http:// www.revistas.unam.mx/index.php/rfdm/article/view/67588/59318. Acesso em: 22 jun. 2020.

PASSOS, Rachel Gouveia; NOGUEIRA, Cláudia Mazzei. O fenômeno da terceirização e a divisão sociossexual e racial do trabalho. Katal, v. 21, n. 3, p. 484-503, set./dez. 2018

RODRIGUES, Francisco Demetrius Monteiro; SANTOS, José Márcio dos; SILVA, Priscila de Souza. Perfil dos trabalhadores terceirizados no Brasil. Revista da ABET. V. 19, n. 1., jan/jun, 2020, p. 196-185

SEVERO, Valdete Souto. Terceirização: o perverso discurso do mal menor. Revista Síntese: Trabalhista e Previdenciária, São Paulo, v. 27, n. 322, p. 285-310, abr. 2016.

SEVERO, Valdete Souto. Terceirização: o perverso discurso do mal menor. 2015. Disponível em: http://www.femargs.com.br/uploads/artigos/terceirizacao-o-perverso-discurso-do-mal-menor/terceirizacao-o-perverso-discurso-do-mal-menor.pdf. Acesso em: 20 mar. 2021.

VIANA, Márcio Tulio. A proteção social do trabalhador no mundo globalizado. In: FREIRE PIMENTA, José Roberto; RENAULT, Luiz Otávio Linhares; VIANA, Márcio Tulio; DELGADO, Maurício godinho; BORJA, Cristina Pessoa Pereira (org). Direito do Trabalho: evolução, crise, perspectivas. São Paulo: LTr, 2004, p . 155-183.

VERGÈS, Françoise. Um feminismo decolonial. Trad. Jamille Pinheiro Dias Raquel Camargo. São Paulo: Ubu, 2020, p. 15-19.

WACQUANT, Loïc. Que é gueto? Construindo um conceito sociológico. Rev. Sociol. Polit. [online]. 2004, n.23, pp.155-164. ISSN 1678-9873. https://doi.org/10.1590/S0104-44782004000200014.

Downloads

Publicado

2022-09-23

Como Citar

TEODORO, M. C. M.; BOMFIM, R. A GUETIZAÇÃO DO TRABALHO FEMININO: ENTRE A ESFERA REPRODUTIVA E A TERCEIRIZAÇÃO. Revista da Faculdade de Direito do Sul de Minas, [S. l.], v. 38, n. 2, p. 20–37, 2022. Disponível em: https://revista.fdsm.edu.br/index.php/revistafdsm/article/view/394. Acesso em: 22 jun. 2024.