A POSIÇÃO DO CONSUMIDOR NA SOCIEDADE MODERNA HIPERCONSUMISTA: POLÍTICAS PÚBLICAS DE EDUCAÇÃO PARA O CONSUMO SUSTENTÁVEL

Autores

  • Agostinho Oli Koppe Pereira Universidade de Caxias do Sul
  • Cleide Calgaro Universidade de Caxias do Sul

Palavras-chave:

Meio ambiente, Políticas públicas, Consumo, Sociedade moderna

Resumo

No presente trabalho pretende-se analisar a sociedade moderna hiperconsumista, onde o ser cidadão deixou de lado o status de cidadão para tornar-se apenas consumidor, onde o ter passa ser a palavra de ordem e o ser é jogado para um plano secundário. Nesse contexto, analisam-se,
também, as consequências do hiperconsumo sobre o meio ambiente, fonte de matérias-primas e depósito de rejeitos. Verifica-se a vulnerabilidade
do consumidor, premido pela publicidade e pelo poder econômico do mercado. Por fim, busca-se trazer à discussão o contexto de uma educação conscientizadora por meio de política públicas voltadas para a modificação dos paradigmas implantados pela modernidade.

Biografia do Autor

Agostinho Oli Koppe Pereira, Universidade de Caxias do Sul

Doutor em Direito pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS); Mestre em Direito pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPe); professor e pesquisador no Mestrado e graduação em Direito da Universidade de Caxias do Sul, coordenador do Grupo de Pesquisa Metamorfose Jurídica. E-mail: agsotinho.koppe@gmail.com.

Cleide Calgaro, Universidade de Caxias do Sul

Doutora em Ciências Sociais na Universidade de Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS) e Doutoranda em Direito na Universidade de Santa Cruz do Sul (UNISC); Mestre em Direito (UCS); Professora da Universidade de Caxias do Sul (UCS); Pesquisadora do Grupo de Pesquisa Metamorfose Jurídica (UCS). E-mail: ccalgaro1@hotmail.com.

Referências

BAUMAN, Zygmunt. Modernidade e holocausto. Rio de janeiro: Jorge Zahar, 1998.

BRASIL. Código de Proteção e Defesa do Consumidor. www.planalto.gov.br acesso em: 14.12.2012.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente (MMA). Secretaria de Articulação Institucional e Cidadania. O que o brasileiro pensa do meio ambiente e do consumo sustentável – Mulheres e tendências atuais e futuras de consumo no Brasil. http://www.mma.gov.br/publicacoes/

responsabilidade-socioambiental/category/90-producao-e-consumo-sustentaveis. 2012. Acesso em: 16.12.2012.

BELL, Daniel. Las contradicciones culturales del capitalismo. Madrid: Alianza, 1992.

CALGARO, Cleide. Desenvolvimento sustentável e consumo; a busca do equilíbrio entre o homem e o meio ambiente. PEREIRA, Agostinho Oli Koppe; HORN, Luiz Fernando Del Rio. Relação de consumo: meio ambiente. Caxias do Sul: EDUCS, 2009.

CAMPBELL, Colin; BARBOSA, Lívia (org). Cultura, consumo e identidade. Rio de Janeiro: FGV, 2007.

CANCLINI, Nestor García. Consumidores e cidadãos – conf litos multiculturais da globalização. Rio de Janeiro: UFRJ, 1996.

Consumo feminino. http://Www.Consumoteca.Com.Br/Consumo-Feminino/ acesso em: 10.12.2013.

DESCARTES René. Discurso do Método http://www.josenorberto.com.br/DESCARTES_

Discurso_do_m%C3%A9todo_Completo.pdf acesso em: 14.12.2012.

ENVOLVERDE. http://envolverde.com.br/noticias/governo-lanca-guia-sobre-consumo-

-sustentavel-com-foco-nas-mulheres/ acesso em: 16.12.2012.

FEATHERSTONE, Mike. Cultura do consumo. Trad. Julio Assis Simões. São Paulo, 1990.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1996.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

GOETHE. Fausto. (trad. Agostinho D’Ornellas) São Paulo: Martin Claret Ltda, 2009.

JACOBINA, Paulo Vasconcelos. Publicidade no Direito do Consumidor. Rio de Janeiro: Forense, 1996.

KAFKA, Franz. A metamorfose. Porto Alegre: Cia. das Letras, 2000.

INSTITUTO BRASILEIRO DE DEFESA DO CONSUMIDOR. Guia de responsabilidade social para o consumidor. São Paulo, IDEC, 2004, p. 05.

INSTITUTO NACIONAL DE

METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL. Direitos do consumidor; Ética no consumo. Brasília: INMETRO, 2002.

LEAL, Rogério Gesta. Possíveis dimensões jurídico-políticas locais dos direitos civis de participação social no âmbito da gestão dos interesses públicos. In: LEAL, Rogério Gesta. (Org.) Administração pública e participação social na América Latina. Santa Cruz do

Sul: Edunisc, 2005.

LIPOVESTSKY, Gilles. Os tempos hipermodernos. São Paulo: Bacarolla, 2004.

LIPOVETSKY, Gilles. O luxo eterno: da idade do sagrado ao tempo das marcas. São Paulo: Cia. das Letras, 2008.

LIPOVESTSKY, Gilles. Sedução, publicidade e pós-modernidade. In: Revista FAMECOS. Porto Alegre. n. 12. junho 2000.

MARQUES, Cláudia Lima. Contratos no Código de Defesa do Consumidor. 2. ed. São Paulo: RT, 1995.

MILLER, Geoffrey. Darwin vai às compras. Rio de Janeiro: Best Seller, 2012.

MORAES, Maria Cândida. O paradigma educacional emergente. Campinas: Papirus, 2003.

MORIN, Edgar. Epistemologia da complexidade. In: SCHNITMAN, D.F. (Org.). Novos paradigmas, cultura e subjetividade. Porto Alegre: Artes Médicas, 1996.

PEREIRA, Agostinho Oli Koppe. Responsabilidade civil por danos ao consumidor causados por defeitos dos produtos: a teoria da ação social e o direito do consumidor. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2003.

PEREIRA, Agostinho Oli Koppe; PEREIRA, Henrique Mioranza Koppe. A modernidade e a questão da vida. In: PEREIRA, Agostinho Oli Koppe; CALGARO, Cleide. Direito

ambiental e biodireito: da modernidade à pós-modernidade. Caxias do Sul: EDUCS, 2008.

PEREIRA, Agostinho Oli Koppe; PEREIRA, Henrique Mioranza Koppe; PEREIRA, Mariana Mioranza Koppe. Hiperconsumo e a ética ambiental. In: PEREIRA, Agostinho Oli Koppe; HORN, Luiz Fernando Del Rio. Relação de consumo: meio ambiente. Caxias do

Sul: EDUCS, 2009.

PRIORE, Mary del. Corpo a corpo com a mulher. São Paulo: Senac, 2000.

PORTO, Rosane Teresinha Carvalho; CASSOL, Sabrina. A educação no exercício da imunidade tributária: um caminho mais próximo da inclusão social. In: RODRIGUES, Hugo Thamir; COSTA, Marli M.M. Direito & políticas públicas II. Porto Alegre: Imprensa Livre, 2008.

PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO. Consumo sustentável.

Trad. Admond Ben Meir. São Paulo: Secretaria do Meio Ambiente/IDEC/Consumers International, 1998.

PORTAL R7. http://noticias.r7.com/economia/noticias/mulheres-lideram-o-consumo-

-no-brasil-20100308.html acesso em: 16.12.2012.

SEBRAE. http://portal2.pr.sebrae.com.br/StaticFile/InteligenciaCompetitiva/docs/

Vestu%C3%A1rio/Tend%C3%AAncias%20de%20Consumo/Tend%C3%AAncias%20

de%20Consumo.pdf. Acesso em: 10.02.2013.

SIMMEL, Georg. A Filosofia da Moda e outros escritos. Lisboa: Texto & Grafia, 2008.

TEIXEIRA, Sérgio Alves. Produção e consumo social da beleza. Horiz. antropol. vol. 7. n. 16, Porto Alegre, dec. 2001.

UOL. http://pensador.uol.com.br/autor/albert_einstein/ acesso em: 19.12.2012.

VENTUROLI, Thereza. A nova mulher da nova classe C. Revista Veja. Editora Abril, maio de 2010. http://veja.abril.com.br/especiais/mulher/nova-mulher-nova-classe-c-p-076.html. Acesso em 10.02.2013.

Downloads

Publicado

2012-08-12

Como Citar

PEREIRA, A. O. K.; CALGARO, C. A POSIÇÃO DO CONSUMIDOR NA SOCIEDADE MODERNA HIPERCONSUMISTA: POLÍTICAS PÚBLICAS DE EDUCAÇÃO PARA O CONSUMO SUSTENTÁVEL. Revista da Faculdade de Direito do Sul de Minas, [S. l.], v. 28, n. 2, p. 69–93, 2012. Disponível em: https://revista.fdsm.edu.br/index.php/revistafdsm/article/view/620. Acesso em: 21 fev. 2024.