PROJETO DE MODERNIZAÇÃO CURRICULAR DA FDRP-USP: NOVOS PASSOS PARA O ENSINO JURÍDICO

Autores

Palavras-chave:

Educação, Ensino Jurídico, Planejamento, Ensino Participativo, Sala de aula invertida

Resumo

Buscamos compartilhar nossos primeiros passos no Projeto de Modernização Curricular (PMC) da FDRP-USP, voltado a elaborar um eixo da disciplina “Laboratório” que utilize a metodologia ativa de sala de aula invertida. Nesse sentido, procuramos discutir: a demanda por inovações no ensino jurídico; as principais características da metodologia escolhida; a descrição/análise das respostas dos formulários elaborados para estabelecer um diálogo com docentes e discentes. Valemo-nos, para isso, de uma revisão bibliográfica narrativa e de um levantamento de dados obtidos por meio desses formulários. A literatura acadêmica aponta que a sala de aula invertida enfrenta diversos desafios, como a adaptação dos atores envolvidos aos novos papéis desempenhados. A pesquisa confirma essa concepção, mas auxilia a pensar em estratégias para amenizar os obstáculos e favorecer o engajamento dos discentes por meio de diferentes técnicas que buscam adaptar a metodologia ao público-alvo, como o emprego de métodos avaliativos menos tradicionais.

Biografia do Autor

Carolina Trevisan de Azevedo, Faculdade de Direito de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (FDRP-USP)

Mestranda em Direito pela Faculdade de Direito de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (FDRP-USP), sendo bolsista pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo - FAPESP; Pós-graduada em Prática Penal Avançada (Damásio Educacional); graduada em 2º lugar pela Faculdade de Direito de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (FDRP-USP).

Caio Gracco Pinheiro Dias

Doutor em Direito pela Universidade de São Paulo (2007). Professor doutor do Departamento de Direito Público (área de Direito Internacional) da Faculdade de Direito de Ribeirão Preto (FDRP-USP). Docente desde 2000, tendo integrado o corpo docente de diversas instituições públicas e privadas. Tem experiência na área de Direito, com ênfase em Direito Internacional Público, Direito Internacional Privado e Teoria Geral do Direito, e na área de Relações Internacionais, atuando principalmente nos seguintes temas: teoria geral do direito internacional, teoria de relações internacionais, regulação do uso da força, legítima defesa, agressão, direito penal internacional, direito internacional penal e garantismo. Nos últimos anos, tem se dedicado aos temas da Metodologia de Ensino do Direito e da Formação de Docentes para o Ensino do Direito.

Referências

BRANCO, Carla Castello et al. A sala de aula invertida como metodologia convergente ao paradigma da complexidade. Boletim Técnico do Senac, v. 42, n. 2, p. 118-135, 2016.

COELHO, Nuno Manuel Morgadinho dos Santos; DIAS, Caio Gracco Pinheiro. Elaboração participativa do Projeto Político-Pedagógico do Curso de Direito: relato da experiência da Faculdade de Direito de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo. Libertas: Revista de Pesquisa em Direito, v. 4, n. 2, p. 85–99, 2018.

DE OLIVEIRA, Eliana Maria Pavan. Docência em Direito e a “Sala de aula invertida” como opção metodológica ativa. Revista Evidência, v. 12, n. 12, 2016.

FARIA, Adriana Ancona de; LIMA, Stephane Hilda Barbosa. As novas diretrizes curriculares nacionais do curso de direito: processo de construção e inovações. In: Educação jurídica no século XXI: Novas diretrizes curriculares nacionais do curso de direito - limites e possibilidades. Florianópolis: Habitus, 2019, p.9-22.

FARIA, Adriana Ancona de. Reflexões sobre a educação jurídica: desafios ao ensino e à pesquisa. Academia: revista sobre enseñanza del derecho de Buenos Aires, v. 12, n. 24, p. 37-58, 2014.

FERRAZ, Ana Paula do Carmo Marcheti; BELHOT, Renato Vairo. Taxonomia de Bloom: revisão teórica e apresentação das adequações do instrumento para definição de objetivos instrucionais. Gestão & produção, v. 17, p. 421-431, 2010.

FREITAS, Ana Lúcia Souza, et al. Por que falar ainda em avaliação?. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2010.

HOOKS, bell. Ensinando a transgredir: a educação como prática da liberdade. 1a. ed. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2013.

LEAL, Regina Barros. Planejamento de ensino: peculiaridades significativas. Revista Iberoamericana de Educación, v. 37, n. 3, p. 1-6, 2005.

LIBÂNEO, José Carlos. Didática. Cortez Editora, 2006.

PAVANELO, Elisangela; LIMA, Renan. Sala de Aula Invertida: a análise de uma experiência na disciplina de Cálculo I. Bolema: Boletim de Educação Matemática, v. 31, p. 739-759, 2017.

SAN TIAGO DANTAS, Francisco Clementino. A Educação Jurídica e a Crise Brasileira [1955]. Cadernos FGV DIREITO RIO. Educação e Direito, v. 3, p. 9–37, 2009.

SANCHES, Raquel Cristina Ferraroni; CALIL Mário Lúcio Garcez; SILVA, Gabriela Chaia Pereira de Carvalho. Educação Jurídica e inovação: a “sala de aula invertida” como metodologia viável. Revista Juridica, v. 3, n. 60, p. 552-573, 2020.

SCHMITZ, Elieser Xisto da Silva; DOS REIS, Susana Cristina. Sala de aula invertida: investigação sobre o grau de familiaridade conceitual teórico-prático dos docentes da universidade. ETD-Educação Temática Digital, v. 20, n. 1, p. 153-175, 2018.

SILVA, Alexandre José de Carvalho. Guia prático de metodologias ativas com uso de tecnologias digitais da informação e comunicação. Lavras: UFLA, 2020.

VALENTE, José Armando. Blended learning e as mudanças no ensino superior: a proposta da sala de aula invertida. Educar em revista, p. 79-97, 2014.

VALENTE, José Armando. A sala de aula invertida e a possibilidade do ensino personalizado: uma experiência com a graduação em midialogia. Metodologias ativas para uma educação inovadora: uma abordagem teórico-prática. Porto Alegre: Penso, p. 26-44, 2018.

Downloads

Publicado

2023-09-26

Como Citar

AZEVEDO, C. T. de .; DIAS, C. G. P. PROJETO DE MODERNIZAÇÃO CURRICULAR DA FDRP-USP: NOVOS PASSOS PARA O ENSINO JURÍDICO. Revista da Faculdade de Direito do Sul de Minas, [S. l.], v. 39, n. 2, 2023. Disponível em: https://revista.fdsm.edu.br/index.php/revistafdsm/article/view/596. Acesso em: 14 abr. 2024.

Edição

Seção

Dossiê "Educação e Direito"