O IMPACTO DO ESTADO DO BEM-ESTAR SOCIAL E DO ESTADO MÍNIMO NO SISTEMA EDUCACIONAL BRASILEIRO

Autores

Palavras-chave:

Estado de bem-estar social, Estado mínimo, Educação, Neoliberal

Resumo

O presente trabalho se justifica em razão da transição do Estado de bem-estar social para o Estado mínimo, em que o Estado reduz uma série de política públicas consideradas onerosas, mormente no que se refere à educação. Destarte, é imprescindível analisar e discutir essa transição sob a perspectiva da educação brasileira, bem como seus efeitos no sistema educacional. Para o presente estudo, foi utilizado o método dedutivo, com pesquisas bibliográficas. No modelo de Estado de bem-estar social, verifica-se a proteção social e a garantia da cidadania dos indivíduos. Por outro lado, o Estado mínimo é marcado pelo controle mínimo, pela livre-iniciativa e pela valorização das organizações econômicas. No sistema educacional, a mudança do Estado de bem-estar social para Estado mínimo provocou privatizações e elevou as desigualdades no ensino, aumentando os problemas sociais.

Biografia do Autor

Emerson Ademir Borges de Oliveira, Universidade de Marília

Pós-Doutorado em Democracia e Direitos Humanos pela Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra (2016). Doutor (2015) e Mestre (2013) em Direito Constitucional pela Universidade de São Paulo. Professor Titular da Universidade de Marília. Coordenador-Adjunto do Programa de Mestrado e Doutorado da Universidade de Marília. Coordenador Regional da Escola Superior da Advocacia da 15a Região. Em 2022, passou a constar da lista da AD Scientific Index que congloba os 2% de pesquisadores mais influentes do mundo. Advogado e parecerista

Guilherme Aparecido da Rocha, Faculdade Galileu

Mestre e Doutor em Direito pela Universidade de Marília (UNIMAR). Coordenador do curso de Direito da Faculdade Galileu (Botucatu, SP). Docente nos cursos de Direito das Faculdades Galileu (Botucatu, SP), Van Gogh (São Paulo, SP), Dom Ricardo (São Paulo, SP) e do Centro Universitário FATEC (Curitiba, PR). Procurador da Câmara Municipal de Jaú, SP.

Julia Macedo Nogueira Nobre, Universidade de Marília

Doutoranda e Mestre em Direito pela Universidade de Marília (UNIMAR). Pós-Graduada em Direito Ambiental e Urbanístico pela Universidade Anhanguera (UNIDERP). Servidora Pública do Poder Judiciário de Mato Grosso.

Referências

ANDERSON, Perry. Balanço do neoliberalismo. In: SADER, Emir; GENTILI, Pablo (Orgs.). Pós neoliberalismo: as políticas sociais e o Estado democrático. São Paulo: Paz e Terra, 1995, p. 9-23.

ARRETCHE, Marta Teresa da Silva. Emergência e Desenvolvimento do Welfare State: Teorias Explicativas. Revista Brasileira de Informação Bibliográfica em Ciências Sociais, v. 39, p. 3-40, 1995.

ESPING-ANDERSEN, Gosta. As três economias políticas do Welfare State. Lua Nova, n. 24, set. 1991, p. 85-116.

FAGNANI, Eduardo. Política social e pactos conservadores no Brasil: 1964/92. Economia e Sociedade (UNICAMP), v. 6, n. 1, p. 183-238, jun. 1997.

HARVEY, David. Condição pós-moderna: uma pesquisa sobre as origens da mudança cultural. Trad.: Adail Ubirajara Sobral e Maria Stela Gonçalves. São Paulo: Loyola, 1992.

IANNI, Octávio. Globalização e crise do Estado-nação. Estudos de Sociologia, v. 4, n. 6, p. 129-135, 1999.

IANNI, Octávio. Teorias da globalização. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1995.

JESUS, Ranielle Pessoa de. Crise do estado de bem-estar social e neoliberalismo: uma breve análise da questão social. II Simpósio Internacional sobre Estado, Sociedade e Políticas Públicas. Teresina, Piauí, jun, 2018.

LÜCKMANN, Luiz Carlos; IMHOF, Éden Luciana Boing. Do Estado do bem-estar social ao Estado mínimo: implicações para o campo da educação brasileira. Unoesc & Ciência – ACHS Joaçaba, v. 8, n. 1, p. 51-58, jan./jun. 2017.

LYOTARD, Jean-François. A condição pós-moderna. 12. ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 2009.

MOLINA, Danilo. Educação e a garantia do Estado laico. Brasil247, 18/03/2019. Disponível em: https://www.brasil247.com/blog/educacao-e-a-garantia-do-estado-laico. Acesso em: 02 jan. 2022.

NOGUEIRA, Vera Maria Ribeiro. Estado de bem-estar social: origens e desenvolvimento. Katalysis, n. 5, p. 89-103, jul./dez. 2001.

NETTO, José Paulo. Crise do socialismo e a ofensiva neoliberal. 2. ed. São Paulo: Cortez, 1995.

PERONI, Vera Maria Vidal. Política educacional e papel do Estado: no Brasil dos anos 1990. São Paulo: Xamã, 2003.

SANTOS, Silvia Alves dos. Implicações da reforma do estado para as políticas de formação de professores nos cursos de pedagogia. In: SIMPÓSIO INTERNACIONAL O ESTADO E AS POLÍTICAS EDUCACIONAIS NO TEMPO PRESENTE, 4., 2008, Uberlândia. Anais... Uberlândia: Ed. UFU, 2008. p. 1-14.

SILVA JÚNIOR, João dos Reis. Reforma do Estado e da educação no Brasil de FHC. São Paulo: Xamã, 2002.

SILVA, Tomaz Tadeu da. A “nova” direita e as transformações na pedagogia da política e na política da pedagogia. In: GENTI-LI, P.; SILVA, T. T. da (Orgs.). Neoliberalismo, qualidade total e educação. 2. ed. Petrópolis: Vozes, 1995.

SOUZA, Sandra Zákia Lian de; OLIVEIRA, Romualdo Portela de. Políticas de avaliação da educação e quase mercado no Brasil. Educação & Sociedade, v. 24, n. 84, p. 873-895, set. 2003.

VIANNA, Maria Lúcia Teixeira Werneck. A americanização (perversa) da seguridade social no Brasil: Estratégias de bem-estar e políticas públicas. Rio de Janeiro: Revam: UCAM, IUPERJ, 1998.

VICENTE, Maximiliano Martin. A crise do Estado de bem-estar social e a globalização: um balanço. In: VICENTE, M. M. História e comunicação na ordem internacional. São Paulo: UNESP; Cultura Acadêmica, 2009.

Downloads

Publicado

2023-09-26

Como Citar

OLIVEIRA, E. A. B. de; ROCHA, G. A. da; NOBRE, J. M. N. O IMPACTO DO ESTADO DO BEM-ESTAR SOCIAL E DO ESTADO MÍNIMO NO SISTEMA EDUCACIONAL BRASILEIRO. Revista da Faculdade de Direito do Sul de Minas, [S. l.], v. 39, n. 2, 2023. Disponível em: https://revista.fdsm.edu.br/index.php/revistafdsm/article/view/688. Acesso em: 19 maio. 2024.

Edição

Seção

Dossiê "Educação e Direito"