EDUCAÇÃO JURÍDICA HUMANIZADA: DESIGN THINKING E LITERATURA COMO ABORDAGENS INOVADORAS NO ENSINO JURÍDICO

Autores

Palavras-chave:

Ensino Jurídico; Educação; Direito na Literatura; Design Thinking; Inovação.

Resumo

Este artigo apresenta uma proposta de abordagem de ensino que articule o Direito na Literatura e o Design Thinking1 aplicados no curso de Direito, a fim de dinamizar as aulas e fomentar a reflexão acerca dos temas jurídicos e sociais, promovendo um ensino humanizado por meio de oficinas literárias e de soluções, representando a educação como um direito social constitucional indispensável à democracia. A partir da realização das oficinas, serão coletados dados por meio de questionários, que serão analisados por meio da Análise Textual Discursiva, com o intuito de verificar o impacto nos alunos quanto à compreensão das vulnerabilidades sociais e o raciocínio quanto às soluções propostas.

Biografia do Autor

Danieli Leite, UENP

Doutoranda em Ciência Jurídica pela UENP, na linha de pesquisa Direito e Vulnerabilidades. Mestra em Ciência Jurídica pela UENP - Campus Jacarezinho-PR. Mestra em Ensino pela UENP - Campus Cornélio Procópio-PR. Docente de Direito do Trabalho na UENP. Docente do Ensino Superior na graduação e pós-graduação na Universidade Norte do Paraná - UNOPAR, Câmpus Bandeirantes. Pós-Graduanda em Direito Sistêmico. Especialista em Direito do Trabalho pela Universidade Norte do Paraná - UNOPAR. Especialista em Educação Ambiental e Estudos do Meio Ambiente pela Fundação Faculdade Luiz Meneghel - FFALM. Bacharel em Direito pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná - PUC-PR (2009). Graduada em Licenciatura em Biologia pela UENP - Campus Cornélio Procópio (2003). Graduada em Licenciatura em Pedagogia pela Unipar. Advogada.

Marinez Meneghello Passos, UENP

MARINEZ MENEGHELLO PASSOS é Bacharel e Licenciada em Matemática (UEL, 1981-1982), Mestre em Matemática (UEL, 1989), Mestre em Educação (UEL, 2004) e Doutora em Educação para a Ciência (Unesp, 2009). Professora da Universidade Estadual de Londrina de 1982 a 2015. Desde 2015 atua como Professora Sênior da Universidade Estadual de Londrina, vinculada ao Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciência e Educação Matemática (PECEM). Desde 2017 atua como Professora Colaboradora do Programa de Pós-Graduação em Ensino (PPGEN) da Universidade Estadual do Norte do Paraná (UENP). Possui diversos artigos e trabalhos publicados em Educação Matemática e Ensino de Ciências. Orientou (e ainda orienta) diversas dissertações de mestrado e teses de doutorado em Ensino, Educação Matemática e Ensino de Ciências. Supervisionou (e ainda supervisiona) estágios pós-doutoral. Atuou (e ainda atua) em projetos de extensão, ensino e pesquisa como coordenadora e/ou colaboradora. Autora de livros didáticos em Matemática e Ciências para o Ensino Fundamental e a Educação de Jovens e Adultos. Atualmente coordena e colabora com projetos de pesquisa. É líder do grupo de pesquisa EDUCIM, criado em 2002 [http://www.educim.com.br/]. Dedica-se atualmente às seguintes linhas de pesquisa: Análises Qualitativas; Formação de Professores; Educação Informal; Ensino e Aprendizagem de Matemática e Ciências; Metacognição. Foi bolsista Produtividade da Fundação Araucária no período de 2014-2016; bolsista Sênior da Fundação Araucária no período de 2016-2019. ORCID: http://orcid.org/0000-0001-8856-5521. Bolsista Produtividade do CNPQ - nível 2 - aprovado no Edital 06/2019

Renato Bernardi, UENP

Realizou estágio de pós-doutorado no CESEG (Centro de Estudios de Seguridad) da Universidad de Santiago de Compostela, Espanha. Doutor em Direito do Estado (subárea Direito Tributário) - PUC-SP. Mestre em Direito Constitucional - ITE-Bauru. Professor efetivo dos cursos de Bacharelado, Mestrado e Doutorado, Membro da Comissão Executiva do Colegiado do Curso de Graduação e Membro da Comissão de Coordenação do Programa de Mestrado e Doutorado em Ciência Jurídica, todos do Curso de Direito do CCSA, Campus de Jacarezinho da UENP. Coordenador do curso de Direito do CCSA, campus Jacarezinho da UENP. Coordenador Pedagógico do PROJURIS Estudos Jurídicos Ltda. Procurador do Estado de São Paulo desde 1994. 

Referências

AGUILLAR, Fernando Herrem. Metodologia da Ciência do Direito. [S. l.]: Max Limonad Ltda., 1996.

ALVES, Flora. Design de Aprendizagem com uso de canvas: Trahentem. São Paulo: DVS Editora, 2016.

BITTAR, Eduardo Carlos Bianca. Crise da ideologia positivista: por um novo paradigma pedagógico para o ensino jurídico a partir da Escola de Frankfurt. In: CONGRESSO NACIONAL DO CONPED, 15., 2007, Florianópolis. Anais [...]. Sociobiodiversidade e soberania na Amazônia. Florianópolis: Fundação Boiteux, 2007. p. 103-103.

BROWN, Tim. Design Thinking: uma metodologia poderosa para decretar o fim das velhas ideias. Rio de Janeiro: Elsevier, 2010.

CANDIDO, A. Literatura e Sociedade. 9. ed. Rio de Janeiro: Ouro sobre azul. 2006.

CAVALCANTI, Carolina Costa; FILATRO, Andrea. Design Thinking: na educação presencial, a distância e corporativa. São Paulo: Saraiva, 2016.

COMPAGNON, Antoine. Literatura para quê? Belo Horizonte: UFMG, 2009.

FARIA, José Eduardo. A reforma do ensino jurídico. São Paulo: Sérgio Antônio Fabris, 1987.

FARIA, José Eduardo. O Judiciário e o desenvolvimento econômico. In: FARIA, José Eduardo (org.). Direitos humanos, direitos sociais e justiça. São Paulo: Malheiros, 2002. p. 26.

FLICK, U. Introdução à pesquisa qualitativa. Tradução Joice Elias Costa. 3. ed. Porto Alegre: Artmed, 2009.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro/São Paulo: Paz e Terra, 2019.

GONSALES, Priscila. Design Thinking e a ritualização de boas práticas educativas. São Paulo: Instituto Educadigital, 2017.

GONZÁLEZ, José Calvo. A palavra no Direito – Construção da verdade e da realidade. Revista do Instituto Humanitas Unisinos, caderno Direito e Literatura – A vida imita a arte, n. 444, ano XIV. São Leopoldo, 2014, p. 10-12. Disponível em: https://www.http://www.ihuonline.unisinos.br/media/pdf/IHUOnlineEdicao444.pdf. Acesso em: 19 ago. 2021.

GODOY, Arnaldo Sampaio de Moraes. Direito & Literatura: ensaio de síntese teórica. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2008.

KARAM, Henriete. O Direito na contramão da Literatura. Revista Eletrônica do curso de Direito da Universidade Federal de Santa Maria, [s. l.], v. 12, n. 3, p. 1022-1043, 2017.

LAKATOS, Eva Maria; MARCONI, Marina de Andrade. Metodologia científica. 7. ed. São Paulo: Atlas, 2007.

LARENZ, Karl. Metodologia da Ciência do Direito. 3. ed. Tradução José Lamego. Lisboa, Portugal: Fundação Calouste Gulbenkian, 1997.

LEITE, Danieli Aparecida Cristina. O Design Thinking no Ensino Jurídico: percepções de estudantes de um curso de Direito e de professores. 2020. 121 f. Dissertação (Mestrado Profissional em Ensino) – Universidade Estadual do Norte do Paraná, Cornélio Procópio, 2020.

MACEDO JÚNIOR, Ronaldo Porto. A educação jurídica num mundo globalizado. O sentido de criar sentidos. Academia. Revista sobre enseñanza del derecho, Bueno Aires, ano 12, n. 23, p. 63-84, 2014.

MACHADO, Antônio Alberto. Ensino jurídico e mudança social. São Paulo: Expressão, 2009.

MANFREDI, Sílvia Maria. Metodologia do Ensino – diferentes concepções. Unicamp, 1993. Disponível em: https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/1974332/mod_resource/content/1/METODOLOGIA-DO-ENSINO-diferentes-concep%C3%A7%C3%B5es.pdf. Acesso em: 04 nov. 2020.

MELO, Ezilda Cláudia. A invenção do Tribunal do Júri em ‘Auto da Compadecida’ de Ariano Suassuna. Revista de Direito, Arte e Literatura, [s. l.], v. 4, n. 2, p. 37-56, 2018.

MÉSZÁROS, I. A Educação para além do capital. 2. ed. São Paulo: Boitempo, 2002.

MORAES, R.; GALIAZZI, M. do C. Análise textual discursiva. Ijuí: Ed. Unijuí, 2011.

MORAES, Roque; GALIAZZI, Maria do Carmo. Análise textual discursiva. 3. ed. rev. e ampl. Ijuí: Ed. Unijuí, 2016.

MORIN, Edgar. Os sete saberes necessários à educação do futuro. 2. ed. rev. São Paulo: Cortez; Brasília, DF: UNESCO, 2011.

RODRIGUES, Horácio Wanderlei. Pensando o ensino do Direito no século XIX: diretrizes curriculares, projetos pedagógicos e outras questões pertinentes. Florianópolis: Boiteux, 2005.

STRECK, Lenio Luiz. Entrevista com Lenio Streck – A Literatura ajuda a existencializar o Direito. Entrevistadora: Henriete Karam. Anamorphosis – Revista Internacional de Direito e Literatura, [s. l.], v. 4, n. 2, p. 615-626, 2018. Disponível em: https://www.http://rdl.org.br/seer/index.php/anamps/article/view/525/pdf. Acesso em: 18 jul. 2021.

THIOLLENT, Michel. Metodologia de pesquisa-ação. 15. ed. São Paulo: Cortez, 2007.

TRINDADE, André Karam; GUBERT, Roberta Magalhães. Direito e literatura: aproximações e perspectivas para se repensar o direito. In: TRINDADE, André Karam; GUBERT, Roberta Magalhães; NETO, Alfredo Copetti (org.). Direito & literatura: reflexões teóricas. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2008. p. 11-66.

TRINDADE, André Karam. Mais literatura e menos manual – A compreensão do Direito por meio da ficção. Revista do Instituto Humanitas Unisinos, caderno Direito e Literatura – A vida imita a arte, São Leopoldo, n. 444, ano XIV, p. 10-12, 2014.

Disponível em: https://www.http://www.ihuonline.unisinos.br/media/pdf/IHUOnlineEdicao444.pdf. Acesso em: 05 ago. 2021.

ZABALA, Antoni. A prática educativa: como ensinar. Porto Alegre: Artmed, 1998.

WARAT, Luís Alberto. A ciência jurídica e seus dois maridos. Santa Cruz do Sul: FISC, 1985.

Downloads

Publicado

2023-09-26

Como Citar

LEITE, D.; PASSOS, M. M.; BERNARDI, R. EDUCAÇÃO JURÍDICA HUMANIZADA: DESIGN THINKING E LITERATURA COMO ABORDAGENS INOVADORAS NO ENSINO JURÍDICO. Revista da Faculdade de Direito do Sul de Minas, [S. l.], v. 39, n. 2, 2023. Disponível em: https://revista.fdsm.edu.br/index.php/revistafdsm/article/view/692. Acesso em: 19 maio. 2024.

Edição

Seção

Dossiê "Educação e Direito"